Faça parte da nossa lista de emails

© 2019 Todos os direitos reservador. 

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • José Anchieta Dantas

Reflexões III O fim do universo

Acredita-se que o Universo, o espaço, o tempo e toda a matéria tiveram um início a partir de um estado inicial infinitesimal denominado Big Bang, a “ Grande Explosão “.

Essa ideia foi inicialmente proposta pelo astrônomo belga George Lemaitre como provável solução para as formulações da teoria da Relatividade Geral de Einstein e ganhou ampla aceitação no meio científico ( Astronomia, Publifolha Editora Ltda, 2018, capítulo O Universo, Glossário e Big Bang ).

E terá um fim, conforme a teoria do Big Crunch ( Grande Esmigalhamento ( idem- Glossário ).

A teoria do Big Bang foi adotada pela Igreja Católica em 1951, por ser a mais consentânea com a Bíblia ( Stephen Hawking, capítulo 3, O Universo em Expansão, edição digital ).

Na verdade se harmoniza com o Gênesis, livro do Pentateuco, do Antigo Testamento, quando Deus disse: “ Faça-se a Luz “.

Acredito que esta ordem de Deus resultou então no estado inicial infinitesimal, a “ Grande Explosão”. Como teve um início, com certeza terá um fim, o Big Crunch “ Grande Esmigalhamento” já comentado.

Os cientistas avaliam que esse encerramento ocorrerá daqui a 10 bilhões de anos, embora estudiosos do assunto entendam que as evidências atuais sugiram que o Universo se expandirá para sempre e volte a entrar em colapso novamente ( Stephen Hawking, capitulo 3, o Universo em Expansão ).

Essa volta a entrar em colapso novamente significa um processo repetitivo do Big Bang ? O Universo está em constante pulsação ?

Mas os seres vivos, inclui a humanidade, claro, terá o seu fim antes daqueles 10 bilhões de anos com o colapso do Sol. ( Uma Breve História do Tempo – Stephen Hawking, capítulo 3, O Universo em Expansão, edição digital ).

A teoria do Big Crunch, também levanta a hipótese de que antes desse fenômeno do encerramento o Universo alcançará um ponto infinitamente denso e quente ( Astronomia, editor François Fressin, Publifolha Editora Ltda, 2018, capítulo O Universo, Glossário ).

Ora, com o colapso do Sol e um Universo infinitamente quente e denso os seres vivos não resistirão e serão extintos.

Essas especulações combinam com o Apocalipse de São João, Atos dos Apóstolos ( 16,8,9), Livro do Novo Testamento, muito anterior a essas hipóteses, quando o quarto anjo derramará a sua taça no Sol e as pessoas serão queimadas com fogo.

Mas o fim do Universo ocorrerá na data estimada pelos cientistas, daqui a 10 bilhões de anos?. Esse final é desconhecido, será inesperado, conforme Jesus Cristo afirma nos Santos Evangelhos ( Marcos 13,32 ).

A divergência, data marcada pelos cientistas e a imprevisibilidade citada nas Santas Escrituras, não invalida a antecipação do Apocalipse, acima citado, à teoria científica.

É explicável: nós contamos tempo em dias, anos, séculos etc, Deus não, Ele estabelece os acontecimentos de acordo com o seu plano para o mundo, o qual está muito acima do nosso limitado entendimento.

Como será a falência do Universo? Os cientistas ( Uma Breve História do Tempo, Stephen Hawking, capítulo 3, O Universo em Expansão, edição digital, 1988/1996 ), afirmam que o Universo está em expansão, em torno de 5% a 10% a cada alguns bilhões de anos ( idem).

Essa expansão, no meu entender, não significa o surgimento de movas galáxias, estrelas etc. É uma dilatação, isto é, as galáxias estão se afastando uma das outras.

O anúncio de novas galáxias, estrelas etc, não são novos corpos celestes que nasceram, mas apenas os já existentes que antes não eram alcançados por telescópios ou técnicas menos modernos ou ainda uma expansão para sempre ou um processo repetitivo do Big Bang, como imaginam alguns cientistas.

Esses novos corpos celestes podem ser resultantes de explosões de grandes fragmentos originários do Big Bang. Aliás, conforme o livro Gênesis 2,1,2, no sétimo dia Deus considerou acabada a sua obra e descansou.

Diante disso não tem sentido o surgimento de novos corpos no Universo ou expansão para sempre e ainda um processo repetitivo do Big Bang, como pensam alguns cientistas. Deus deu por terminada toda a sua obra.

As antecipações da Bíblia às previsões científicas, como já lemos, fornecem provas mais do que suficientes para acreditarmos nesse livro sagrado e não em especulações científicas.

Se a expansão do Universo for muito lenta, este começa a se contrair puxado pela força da gravidade ( Stephen Hawking, Uma Breve História do Tempo, capítulo 3, o Universo em Expansão, edição digital ).

O Big Bang deve ter sido uma enorme explosão quando Deus ordenou “ Faça-se a Luz”. Como todo rompimento violento de algo sólido provoca estilhaços, os do Big Bang também geraram, fragmentos os quais se agruparam em vários aglomerados enormes, as galáxias, e dentro de cada conjunto galáctico, planetas e satélites.

Com a diminuição da velocidade desses estilhaços, os quais são as galáxias, estrelas etc, começarão a cair umas sobre as outras devido à força gravitacional. Aliás a teoria do Big Crunch ( o Grande Esmigalhamento ), já comentado, a palavra Esmigalhamento, tradução de Crunch, sugere essa a queda dos corpos celestes.

Podemos comparar esse fenômeno com o lançamento, para cima de algumas pedras. O impulso do lançamento vai fazendo com que a velocidade da ascensão continue elevando-as, afastando os diversos pedaços uns dos outros, a expansão.

Mas chegará um instante que a atração da gravidade supera a velocidade decrescente da elevação das pedras e estas começarão a cair umas sobre as outras.

Mais uma vez vamos encontrar uma antecipação da Bíblia às teorias da ciência. No Apocalipse de São João (6,21), Livro do Novo Testamento lemos : ..... Quando abriu o sexto selo vi acontecer um grande terremoto. O sol ficou escuro como roupa de luto, e a lua toda parecia sangue. As estrelas do céu caíram sobre a terra.......o céu encolheu-se como se enrola um pergaminho”. Também lemos em Mateus (24,29) “........o sol escurecerá e a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento....”

As palavras grifadas mostram a semelhança com as teorias científicas sobre o término do Universo.

Será que o grande terremoto citado no Apocalipse é o choque de um enorme asteroide com a Terra, cuja poeira escurecerá o sol e tingirá a lua de vermelho?

Apesar de Deus não ter revelado o dia e a hora do fim, como já dissemos acima, Nosso Senhor Jesus Cristo, quando os apóstolos Lhe perguntaram qual o sinal do fim do mundo, Ele respondeu : “ muitos virão em meu nome e dirão Eu sou o Cristo e enganarão a muitos”. Ouvireis falar de guerras e boatos de guerras........mas, ainda não será o fim......mas tudo isso....... Haverá fome e terremoto em diversos lugares......( Mateus 24,5-7).

Alguém pode argumentar : naquela época da anunciação dos Santos Evangelhos não havia esses distúrbios da natureza ?

Acredito que sim, mas os Santos Evangelhos foram revelados em uma área muito restrita.

Atualmente as comunicações abrangem toda a Terra, e ao vivo e em tempo real tomamos conhecimento desses fenômenos.

De onde a expressão do encinamento bíblico “ ouvireis falar” e “em diversos lugares”. De modo que o “ouvireis” não se referiu apenas aos apóstolos, mas também a todas as gerações futuras. A Boa Nova foi escrita para aquela época e para todo o sempre.

Podemos agora perguntar: porque Deus criou o universo para depois destrui-lo? Por que nos colocou na Terra?

Acredito firmemente que são questões às quais nossa limitadíssima capacidade de entendimento não alcançam. Os desígnios de Deus estão muito acima, muito mais no alto da nossa pequena compreensão.

A precedência dos princípios da Bíblia às teorias científicas, como já escrevemos aqui, nos assegura a crença incondicional nas Sagradas Escrituras.

Assim é acreditar que os sinais apontados por Nosso Senhor Jesus Cristo acima enumerados são o prenúncio do fim do universo, pois é como consta em Marcos 13,28,29 “ Aprendei da parábola da figueira : Quando os ramos estão tenros e as folhas brotam sabeis que o verão está próximo.

Assim também quando vires acontecer essas coisas, ficai sabendo que o o filho do homem está próximo, às portas”.

Será que já estamos presenciando esses sinais ? Mas atentemos para as expressão “próximo e às portas”. Essa contagem é de Deus e o seu tempo não coincide com o nosso : dias, meses, anos etc. Portanto o seu “próximo às portas” pode não ser o nosso “daqui a pouco”.

18 visualizações